Veneno de cobra brasileira pode evitar reprodução do coronavírus

Written by on 25 de agosto de 2021

A cobra brasileira Jararacuçu é a responsável por 90% dos envenenamentos por picadas no Brasil, de acordo com a Fiocruz (Fundação Osvaldo Cruz). O réptil é temido por aqui, mas os cientistas do Instituto de Química (IQ), da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), em Araraquara, descobriram que o veneno dela é capaz de inibir a ação do coronavírus. 

Em laboratório, os pesquisadores separaram um peptídeo (pedaço de proteína) do veneno e aplicaram em células de macacos. Após uma hora, o SARS-CoV-2 foi colocado no experimento. Os cientistas constataram que a capacidade de reprodução do vírus causador da covid-19 caiu 75%. O ensaio foi publicado em um artigo da revista científica internacional Molecules, na última semana.

A descoberta pode ajudar na produção de um medicamento para tratar pessoas infectadas coma a covid-19. O desafio dos pesquisadores é produzir um remédio eficaz contra a doença, mas que não gere reações adversas para quem usar.

Para o site da Unesp, Eduardo Maffud Cilli, professor do IQ e um dos autores do trabalho, afirmou que os primeiros resultados foram animadores. “Nós encontramos um peptídeo que não é tóxico para as células, mas que inibe a replicação do vírus. Com isso, se o composto virar um remédio no futuro, o organismo ganharia tempo para agir e criar os anticorpos necessários, já que o vírus estaria com sua velocidade de infecção comprometida e não avançaria no organismo”, disse ele. 

A Jararacuçu é a segunda maior serpente do Brasil e o envenenamento dela causa hemorragia, inchaço e destroem os tecidos na região da picada. Além do Brasil, a cobra é encontrada na Bolívia, no Paraguai e na Argentina. Por aqui, ela vive nas regiões Sul e Sudeste, além dos Estados da Bahia e do Mato Grosso do Sul.

O experimento foi possível, a partir de um estudo, também do Instituto de Química da Unesp, que descobriu que o peptídeo da cobra tinha atividade antibacteriana, o que os motivou a realizar novos testes para avaliar se ele também poderia agir em partículas virais.

A  princípio, os efeitos não foram tão positivos, mas após modificações na estrutura química da molécula sintetizada no IQ, a atividade antiviral foi mais efetiva. A eficiência do peptídeo foi testada no Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da USP, em São Paulo, onde há uma amostra do coronavírus isolada. 

O próximo passo é avaliar a eficácia de dosagens diferentes do peptídeo e quais efeitos podem ter na célula, como a de proteção, evitando até mesmo que o vírus a invada. Após o fim desses testes, os pesquisadores esperam avançar a etapa pré-clínica, em que será estudada a eficácia do peptídeo para tratar animais infectados pelo novo coronavírus.

 

Fonte: R7


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


Current track

Title

Artist