Procurador Geral diz que Governo da Paraíba faz decreto para 223 municípios e avisa que Justiça será acionada em caso de contrariedade

Written by on 11 de março de 2021

O procurador Geral do Estado da Paraíba, Fábio Andrade, disse que o governo estadual faz decreto para os 223 municípios e que os Ministérios Públicos entrarão em ação contra descumprimento. A declaração foi dada em entrevista ao programa Arapuan Verdade, nessa quarta-feira (10), em resposta às divergências apresentadas pelo prefeito de Campina Grande, Bruno Cunha Lima, contrário às determinações do documento estadual.

“O Governo faz decreto para todo o estado, para os 223 municípios. Essa lógica de que ‘município A ou município B é quem sabe dos problemas do seu próprio município’, se fosse assim, o Estado estaria proibido de fazer um decreto porque cada município é que regularia a sua realidade local. Então a gente teria 223 decretos dos 223 municípios. Evidente que não funciona assim, em que pese o discurso político nesse sentido”, explicou o procurador Geral do Estado.

Fábio Andrade destacou, também, que um juiz em Campina Grande, assim como o Tribunal de Justiça da Paraíba e o STF já tinham declarado que prevalecem os decretos mais restritivos, na pandemia do novo coronavírus. “O que o Supremo Tribunal Federal já decidiu é que os três entes federativos podem dispor sobre regras sanitárias durante a pandemia. A União, os estados e os municípios. O Supremo decidiu, em mais de uma vez, que, se houver divergência, prevalece a regra mais restritiva. Então, se o Estado edita um decreto e o município quer fazer isso de maneira mais restritiva, por exemplo, se o Estado diz que bares e restaurantes funcionarão até 16h e o município quiser dizer ‘não, aqui só vai funcionar até meio-dia.’ Não tem problema nenhum. O que não pode é o decreto municipal ser mais abrangente ou menos restritivo do que o decreto estadual.”

O procurador lembrou que o Estado já enfrentou desobediências a um decreto estadual quando a Prefeitura de Campina Grande não obedeceu às restrições de Natal e Réveillon. “É bom lembrar que essa discussão em Campina Grande já foi enfrentada. O Estado regulou os feriados de Natal e de Réveillon de uma forma e Campina Grande de maneira diferente. E, como não podia ser diferente, o caso foi levado à apreciação no Poder Judiciário em Campina Grande, por um juiz, na Paraíba pelo Tribunal de Justiça, e pelo Supremo Tribunal Federal. Os três tiveram a oportunidade de se manifestar e os três, em uníssona voz, disseram que vale o decreto mais restritivo.”

Fábio pontuou que acredita que os MP’s acionarão a Justiça, em caso de descumprimentos do decreto estadual por parte das prefeituras paraibanas. “Eu não tenho dúvida que, se for necessário, o Poder Judiciário, mais uma vez, vai reafirmar a sua jurisprudência e a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, dizendo que vale a norma mais restritiva.”

Ele citou o caso específico de Campina Grande, dizendo que acredita que os Ministérios Públicos agirão contra divergências. “Penso que o próprio Ministério Público o fará porque o MP, pelo que estou sabendo, fez uma reunião com o prefeito ontem (9) e emitiu uma recomendação ao prefeito, assinada pelos Ministérios Públicos Federal, estadual e do Trabalho, que ele atendesse ao decreto estadual.”

 

Fonte: ClickPB


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


Current track

Title

Artist