Paraíba tem serviços gratuitos de apoio psicológico contra suicídio

Written by on 21 de setembro de 2020

Serviços

Cerca de 12 mil pessoas se suicidam no Brasil todos os anos e mais de 1 milhão cometem este ato no mundo. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em torno de 96,8% dos casos há relação com transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias. Para promover o combate ao suicídio e a conscientização sobre o tema, a ABP, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e o Centro de Valorização da Vida (CVV) organizam a campanha Setembro Amarelo. Na Paraíba, há serviços gratuitos oferecidos à população para apoio psicológico contra este problema social.

Alertas

Segundo a coordenadora-geral de Saúde Mental do Ministério da Saúde, Dilma Alves Teodoro, em entrevista à Agência Brasil, o suicídio pode ser prevenido e há sinais que as famílias, os amigos e professores podem perceber, como o isolamento, desinteresse pelas atividades que gostava, irritabilidade, falta de autocuidado, músicas e publicações mais tristes nas redes sociais e discursos que “a vida está mais difícil”. “São sinais que devem ser observados pela família, porque esse momento é de intervir, de chegar perto e conversar sobre o assunto, orientar para que a pessoa busque uma ajuda e se oferecer para acompanhar”, diz Dilma.

A coordenadora ressalta que o fim do preconceito com doenças mentais, como ansiedade e depressão, é fundamental para a prevenção ao suicídio. Ela aponta que, com a quebra de tabus sobre o assunto, pessoas que estão passando por algum sofrimento se sentirão mais à vontade para procurar ajuda profissional e ter um diagnóstico adequado, prevenindo possíveis tentativas de suicídio.

Riscos e agravantes

Dilma Alves explica que o fator de maior risco para o suicídio é um transtorno mental, mas que há agravantes. Ela indica que os dados sobre mortes por suicídio vêm se mantendo estáveis ao longo dos últimos anos, com maior incidência na população jovem, de 15 a 29 anos, e nos idosos.

No caso dos jovens, ela explica que o risco pode ser potencializado pelo uso de álcool e drogas, e, nos mais idosos, por questões como doenças crônicas, perdas de parentes e maior responsabilidade no provimento da família. O estresse causado pela pandemia de Covid-19 também pode ser fator de risco para pessoas que já têm algum transtorno ou funcionar como gatilho para o aparecimento.

“Se considerar o momento que estamos vivendo, não só a saúde pública, mas questões econômicas e sociais também têm um peso significativo. Os dados mostram que países em situações de crise grave, de calamidade, têm um risco aumentado de tentativas de suicídio”, revela.

Buscando ajuda

O Ministério da Saúde entende o suicídio como uma emergência médica, que precisa de uma intervenção imediata. Por isso, a orientação é que se busque o serviço de urgência e emergência, a exemplo do Samu (192), para um primeiro atendimento e encaminhamento para profissional especializado.

A rede pública possui ainda os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e serviços de ambulatório, em unidades básicas de saúde, que funcionam com equipes multidisciplinares para atender a população.

Na Paraíba, segundo a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) tem, atualmente, 68 Caps I (serviço para 15 mil habitantes); nove Caps II (70 mil habitantes); cinco Caps III 24 horas (150 mil); seis Caps AD para 70 mil habitantes; nove Caps AD III 24h (150 mil); 12 Caps Infantojuvenis (70 mil); 14 Residências Terapêuticas; cinco Consultórios na Rua; quatro Unidades de Acolhimento; 20 leitos de Saúde Mental em Hospital Geral e 65 beneficiários do Programa de Volta Pra Casa (PVC).

O estado tem 37.423 pessoas atendidas em 124 serviços da RAPS. Dos 110 Caps do estado, apenas um é de responsabilidade da SES, localizado em João Pessoa. Os outros são gerenciados pelos próprios municípios.

Acolhimento e escuta multiprofissional

A SES, por meio da Coordenação Estadual de Saúde Mental, em parceria com a Residência Multiprofissional em Saúde Mental (Resmem/UFPB), promove em setembro várias ações na campanha ‘Porque todo cuidado em saúde mental é coletivo’. O objetivo é mapear, divulgar e valorizar ações e serviços públicos e gratuitos de cuidados contínuos com a saúde mental.

Entre as atividades, está o projeto ‘Hora da Fala’, para acolhimento e escuta multiprofissional, das 14h30 às 16h. A população pode participar remotamente por meio deste link.

É oferecido um grupo online e aberto à população para cuidado em saúde mental todas as quartas-feiras deste mês, durante uma hora e meia, informa a coordenadora de Saúde Mental da SES, Iaciara Mendes. “A ideia é que não somente em setembro, mas durante todo o ano as equipes desenvolvam ações como rodas de conversa, palestras, eventos abertos à sociedade, no sentido de criar espaços de escuta e cuidado e, assim, promover o cuidado em saúde mental nos territórios”, acrescenta.

Serviços
Abuso de substâncias é um fator de risco para o suicídio (Foto: Лечение Наркомании/Pixabay)

João Pessoa

Na capital paraibana, foram registradas 49 mortes em 2019 e, neste ano, até meados de agosto, 20 pessoas tiraram a própria vida. Durante todo o mês de setembro, o tema será amplamente debatido nos serviços da rede municipal de saúde, com ações para diagnóstico de doenças e prevenção ao suicídio, alertando para a importância do maior acolhimento das pessoas como forma de prevenção.

As atividades incluem rodas de conversa nas Unidades de Saúde da Família (USF), palestras, oficinas, qualificações, dinâmicas de relaxamento e outras atividades nos Centros de Atenção Psicossocial.

A Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP) dispõe de quatro Caps, instituições destinadas a acolher pessoas com transtornos mentais e persistentes ou que fazem uso abusivo de substâncias psicoativas. Esses centros substituem a internação psiquiátrica, buscando a reinserção social através do tratamento. Nesses locais, os pacientes recebem acompanhamento médico e psicológico, além de participarem de oficinas, grupos terapêuticos, atividades esportivas e culturais com a finalidade de integrá-los em um ambiente social e cultural junto às famílias.

Além dos centros, a Rede de Atenção Psicossocial é composta por uma Unidade de Acolhimento Infantil (UAI), Pronto Atendimento em Saúde Mental (Pasm) 24h, três residências terapêuticas e leitos em hospitais gerais.

Os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) também têm acesso a acompanhamento psicológico e psiquiátrico nas policlínicas localizadas nos bairros de Tambaú, Mandacaru, Jaguaribe, Cristo, Mangabeira, além da Policlínica da Pessoa Idosa. Nestas unidades, o atendimento ocorre por encaminhamento da USF de referência ou diretamente nas policlínicas com um agendamento interno.

Contatos:

  • Ambulatório de Saúde Mental Gutemberg Botelho – Rua: Dom Pedro II, 1826 – Torre: (83) 99108-2895;
  • Caps Regional AD III Jovem Cidadão – Rua Safra Said Abel da Cunha, 326 – Tambauzinho: (83) 3218-5902;
  • Espaço de Atenção à Crise/Serviço de urgência e emergência – Complexo Psiquiátrico Juliano Moreira | Endereço: Rua: Dom Pedro II, 1826 – Torre: (83) 3211-9820;
  • Caps III Caminhar – R. Paulino Santos Coelho, s/n Bairro: Jardim Cidade Universitária: 3218 – 5914/7008. Atendimento 24h, demanda espontânea e referenciada (referência inicial para o suicídio acima de 18 anos);
  • Caps III Gutemberg Botelho – Av.: Minas Gerais, 409, Bairros dos Estados: 3221-6700. Atendimento 24h, demanda espontânea e referenciada;
  • Caps-AD III David Capistrano – R.: José Soares, s/n bairro: Rangel: 3218 – 5244. Atendimento 24h, demanda espontânea;
  • Caps I Cirandar – R: Gouveia Nóbrega, s/n bairro: Roger: 3214 – 6079. Atendimento de segunda a sexta das 8h às 17h, demanda espontânea e referenciada (referência para o suicídio até 18 anos);
  • Complexo Hospital Municipal Tarcísio Burity – Ortotrauma – R.: Agente Fiscal José Costa Duarte, s/n: 3214-3291 (atende demanda de urgência e emergência – 24 horas);
  • Pronto de Atendimento de Saúde Mental – Pasm – R.: Agente Fiscal José Costa Duarte, s/n: 3214-3291 (atende demanda de urgência e emergência – 24 horas);
  • Hospital Municipal Valentina de Figueiredo – Av. Mariângela Lucena Peixoto, Valentina I: 3218-9404 (atende demanda infantojuvenil até 14 anos).

Campina Grande

A rede municipal é composta por oito Caps. Conforme detalha o técnico em saúde mental da Prefeitura de Campina Grande, Pedro Vicente de Farias Lira, há também outros serviços que seguem funcionando normalmente, respeitando as regras de prevenção. É o caso das seis residências terapêuticas e da emergência psiquiátrica do Hospital Municipal Dr. Edgley.

“As residências terapêuticas são casas localizadas no espaço urbano, constituídas para responder às necessidades de moradias de pessoas com transtornos mentais graves, que vivenciaram longos períodos de internação em hospitais psiquiátricos”, diz Pedro Lira.

Com relação ao Hospital Municipal Dr. Edgley, onde estão disponíveis 20 leitos de internação para pacientes de saúde mental, Lira o classifica como uma das portas de entrada do segmento na cidade. “O Samu encaminha para lá”, completa.

Contatos:

  • Caps I – Galante: 3317-1262;
  • Caps I São José Da Mata: 3314-1073;
  • Caps I Viva Gente: 3310-6366;
  • Caps I (Intervenção Precoce): 3321-7454;
  • Caps AD Adulto: 3341-0017;
  • Caps AD III (Infantojuvenil): 3321-6622;
  • Caps II: 3310-7193;
  • Caps III: 3342-7192;
  • Leitos especializados em Saúde Mental (Hospital Dr. Edgley): 3077-1442.

Unipê

A Clínica-Escola de Psicologia do Centro Universitário de João Pessoa – Unipê presta serviços à comunidade nas áreas de Psicoterapia Individual (em diferentes abordagens), Terapia de Grupo e Terapia de Casal. Além disso, oferece avaliação psicológica, Psicologia Jurídica e atendimento para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA).

Neste momento de pandemia, a instituição informa que retomou os atendimentos apenas para os agendamentos de triagens que foram realizados antes da pandemia com alunos concluintes do curso, seguindo todos os protocolos de segurança. O atendimento está sendo realizado com número reduzido de usuários e salas considerando a situação vigente. Quanto à oferta de novas vagas de atendimento, ainda não há previsão. Mais informações podem ser obtidas através do e-mail [email protected].

Uninassau

O curso de Psicologia da Faculdade Uninassau João Pessoa retomou o Plantão Psicológico realizado na instituição. O serviço é gratuito, aberto a toda comunidade e faz parte do Projeto de Preservação à Vida.  Os atendimentos acontecem de segunda a sexta, das 9h às 11h e das 13h às 15h, na própria unidade de ensino, localizada na Avenida Epitácio Pessoa, 1201 – Bairro dos Estados.

O coordenador do curso de Psicologia da Uninassau, Sócrates Pereira, afirma que o serviço é um breve e curto momento de escuta psicológica de demanda espontânea. “No momento que estamos vivendo, de muita ansiedade e estresse, oferecer algo que promova a saúde, através de um suporte psicológico imediato, é de fundamental importância”, pontua.   

Devido à pandemia, estão sendo feitos apenas dois atendimentos por vez e por ordem de chegada. As pessoas passam por todos os protocolos de segurança para ter acesso ao serviço, como aferição de temperatura e obrigatoriedade do uso de máscara.    

Em caso de um acompanhamento mais prolongado, o paciente é encaminhado para sessões de terapia que acontecem na Clínica-escola de Psicologia, que oferece o serviço a baixo custo. A Clínica-escola fica localizada na Avenida São Paulo, 1103 – Bairro dos Estados.     

Outros serviços

  • Na internet, é possível localizar sites especializados com informações sobre prevenção ao suicídio. Além do site da campanha Setembro Amarelo, o Ministério da Saúde também possui cartilhas e orientações sobre os sinais de alerta e como buscar ajuda;
  • Centro de Valorização da Vida (CVV) também realiza apoio emocional e de prevenção do suicídio, atendendo todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, chat e-mail, 24 horas por dia, todos os dias da semana. A ligação para o CVV, por meio do número 188, é gratuita a partir de qualquer telefone fixo ou celular;
  • O Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, com apoio do Google, lançou neste ano o Mapa da Saúde Mental, que traz um guia de ajuda e lista os serviços públicos disponíveis em todo território nacional, além de serviços de acolhimento e atendimento gratuitos ou voluntários realizados por organizações não governamentais, instituições filantrópicas, clínicas-escolas, entre outros;
  • Projeto de Suporte Psicológico para profissionais do Estado, especialmente da área de Saúde – WhatsApp: (83) 99146-2469;
  • Corpo de Bombeiros – Disque 193 (para emergências/tentativas de suicídio).
Serviços
Suicídio pode ser prevenido e há sinais perceptíveis (Foto: Imagem ilustrativa/Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Campanha do Ministério Público

‘Eu te Acolho’ é a mensagem que o Grupo de Trabalho de Prevenção e Posvenção ao Suicídio — coordenado pelo Ministério Público da Paraíba (MPPB) e integrado pelo Ministério Público Federal (MPF) e vários órgãos ligados à temática — pretende massificar neste Setembro Amarelo. A ideia é divulgar às pessoas em sofrimento psíquico que existe uma rede de cuidados em saúde mental para apoiá-las e tratá-las e que o MP está atuando para que os serviços sejam instalados e fortalecidos e o acesso a eles seja ampliado. A campanha também quer chamar a atenção da sociedade para que seja mais empática em relação a quem tem depressão e outros transtornos psíquicos, para que sejam ajudadas nos seus ciclos de convivência.

Além dos órgãos ministeriais (MPPB e MPF), integram o grupo de trabalho os conselhos de Medicina e Psicologia da Paraíba, as secretarias estadual e municipal de Saúde, a Residência Médica em Psiquiatria da Universidade Federal da Paraíba, a Residência Multiprofissional em Saúde Mental, o Corpo de Bombeiros e o Centro de Valorização da Vida – CVV. “Neste mês de setembro, quando nos voltamos mais para a discussão sobre o fenômeno do suicídio, estamos dizendo ‘Eu te acolho’ às pessoas que têm ideações suicidas, àquelas que já tentaram tirar a própria vida e aos seus familiares. Conclamamos toda a sociedade para se engajar nessa campanha de valorização da vida. Não devemos romantizar o suicídio, nem criticar os tentantes. Temos que oferecer às famílias enlutadas e às vítimas de autoagressão o tratamento de saúde adequado”, explicou a promotora de Justiça do MPPB, Jovana Tabosa.


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


Current track

Title

Artist