Casos de Dengue aumentam mais de 180% na Paraíba

Written by on 5 de dezembro de 2018

O número de casos de dengue registrado em 2018, na Paraíba, aumentou 181,1% em relação ao mesmo período do ano passado, considerando o período entre 1º de janeiro e 11 de novembro. A constatação, somada à possibilidade de chuvas ocasionais que costumam atingir o Estado nesta época, gerou maior preocupação à Secretaria de Estado de Saúde (SES). Este ano, as arboviroses já mataram 19 pessoas, sendo 14 por dengue.

Por conta do risco de ampliar os números de casos e mortes, a SES solicitou aos municípios o envio dos planos de contingência para combate às arboviroses – dengue, zika e chikungunya – para 2019, e a manutenção das ações que ajudam a diminuir a oferta de criadouros para o Aedes aegypti.

Em João Pessoa, por outro lado, houve redução no número de casos. Enquanto em 2017 foram 3.316 notificações, em 2018 foram 2.954. “Houve redução dos casos este ano pouco acima de 10% em relação a 2017. Porém, esse dado ainda é preliminar, passível de mudança”, ressaltou o gerente de Vigilância Epidemiológica, Daniel Araújo.

O gerente de Vigilância Ambiental e Zoonoses da Capital, Nilton Guedes, afirmou que a apreensão maior agora é com as chuvas de Verão, que começam em novembro e se estendem até o final de maio. “É um período de muita preocupação. Temos uma temperatura mais alta, umidade maior devido às chuvas de Verão e uma quantidade de pequenos depósitos que surgem devido às chuvas”, observou.

LIRAa na Capital

O último Levantamento Rápido de Índices por Aedes aegypti (LIRAa), realizado na primeiro quinzena de outubro, constatou que o índice de infestação em João Pessoa não chega a 1%.

“O município foi dividido em 29 áreas e estamos em situação de baixo risco, com índice de infestação abaixo de 1%. Estamos em situação de baixo risco, mas não podemos diminuir os cuidados”, alertou Nilton Guedes.

Acúmulo de água da chuva

A Gerência de Vigilância Ambiental e Zoonoses, de João Pessoa, tem chamado a atenção para uma situação diferenciada no município. “A cidade é muito arborizada e essas árvores, com a queda de folhas, causa m obstrução em calhas. Com as chuvas de Verão, as folhas podem gerar obstrução no cano de escoamento da água e formar criadouro. É um ponto que pedimos muita atenção. Isso é prioridade”, ressaltou Nilton Guedes.

Ele observou que as lajes planas são preocupantes. “Nas guaritas de prédios, por exemplo, as pessoas, por displicência, jogam copos do primeiro andar, que ficam sobre as lajes planas e podem aumentar surgimento de focos”, acrescentou.

Os descartáveis, conforme o gerente, também podem se transformar em criadouros. “Em João Pessoa temos uma boa oferta d’água. Não usamos muito tonéis, tanques e sim caixas d’água com vedação. Porém, tem que dar destino adequado aos descartáveis”, ressaltou.

Outra situação que o gerente alerta é a atitude no setor de trabalho. “Em casa, temos um controle, mas no trabalho, são muitas pessoas com conhecimentos diferentes. Pedimos que nesses locais com mais movimentação humana, todos preservem o local de trabalho, sejam num local fechado, sem numa construção, cuide para não formar novos criadouros. O Ministério da Saúde sugere que a cada sexta as pessoas tenham um olhar diferenciado para a questão da limpeza”, completou.

Educação é carro-chefe

A ação específica do agente de saúde é a visitação domiciliar. Só ele, conforme Nilton Guedes, tem a capacitação de aplicar inseticida quando necessário. “Temos também um trabalho intenso, educativo, com palestras no Centro de Controle de Zoonoses, em escolas, universidades. A educação é um carro-chefe”, disse.

Tipo de vírus

Outra informação importante é o tipo de vírus que está circulando este ano. “Como a dengue possui 4 tipos de vírus, e se em determinando período o vírus circulante foi o do tipo 2, teremos várias pessoas imunes a esse vírus, uma vez que podem ter contato anterior com este subtipo. No entanto, com a introdução ou recirculação de outro tipo viral, a exemplo do dengue tipo 4, teremos um maior número de pessoas susceptíveis”, analisou Daniel Araújo, gerente da Vigilância Epidemiológica de João Pessoa. “Logo, a combinação de anos favoráveis a reprodução descontrolada do vetor e (re)introdução de um tipo vírus (seja subtipo do dengue, chikungunya ou zika vírus), teremos anos epidêmicos”, emendou.

Atuação

O Ministério da Saúde informou que a união entre governo e população é a melhor forma de derrotar o mosquito, e que desde setembro vem trabalhando junto a Estados e municípios para que os governos de transição mantenham as ações contra o Aedes o ano inteiro. LM


Por: Fala-PB


Reader's opinions

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *


Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


Current track

Title

Artist